CRÔNICAS

CONFIRMANDO SUSPEITAS: RAPOSA SERRA DO SOL

Em: 26 de Abril de 2009 Visualizações: 4149
CONFIRMANDO SUSPEITAS: RAPOSA SERRA DO SOL

“Prezado Bessa, leio sempre sua coluna na Internet (que maravilha essa invenção do capitalismo não é?). E há muito aguardo sua opinião acerca da Raposa Serra do Sol. Aprecio os seus textos. O último, entretanto, confirmou minhas suspeitas: você é mais um acadêmico que defende a demarcação tal qual está. Seria importante, querido conterrâneo, esclarecer certas coisas. Você já deu diversas provas de honestidade intelectual. Gostaria de mais essa. Agradeço a atenção”.

Foram 14 as perguntas enviadas pelo leitor André Costa. Tento respondê-las com o respeito que ele merece.

1- Qual a área da reserva? Quantos índios nela se encontram?

A Raposa Serra do Sol, que representa 7.5% do território de Roraima, tem 17,5 mil km2. Lá vivem 18.700 índios: um por km2. Tem gente que acha que é muita terra pra pouco índio. E para seis arrozeiros?

2- Qual a área do Brasil? Quantos índios nele se encontravam antes dos portugueses?

No século XVI, não havia IBGE, mas estudos recentes de demografia histórica da Universidade de Berkeley calculam que aqui, nesse território de 8.5 milhões km2, viviam mais de 10 milhões de índios. Com métodos refinados de avaliação, pesquisadores como William Denevan estimam que só a Grande Amazônia abrigava 6.800.000 índios. O que ocorreu aqui – ele diz - foi a maior catástrofe demográfica da história da humanidade.

3- Dentre os índios que se situam na reserva, quantos defendem a expulsão dos arrozeiros?

Todos. Até onde sei, todo o Conselho Indígena de Roraima (CIR) quer que os arrozeiros se pirulitem. Um ou outro índio, pago pelos fazendeiros, falou que era contrário à demarcação. Ora, isso tem o mesmo valor que se um escravo, na luta pela libertação, declara seu desejo de permanecer escravo. Nesse caso, desconfiemos. Ele não defende sua liberdade, mas o cativeiro. A voz, portanto, não é dele. A voz é do amo. Não tem valor representativo algum dos interesses históricos dos índios.   

4- De que modo a presença dos arrozeiros impede a vida normal dos índios?

Os arrozeiros ocupavam áreas férteis e impediram o acesso aos rios Surumu e Tacutu. Exploravam o trabalho indígena, poluíram rios, degradaram o ambiente, tocaram fogo em malocas. Queimaram matas e lavrados em 1998, matando milhares de urubus e pássaros, em cujas entranhas foram encontradas doses de agrotóxico, veneno que contamina também os rios e igarapés. Destruíram assim formas de vida, necessárias à reprodução das culturas indígenas.    

5- Qual a área ocupada pelos arrozeiros e sua relação com o total da reserva?

Consulta o site do Instituto Socioambiental (ISA), que publicou um dossiê com documentos, mapas, notícias e artigos esclarecedores. De qualquer forma, a área ocupada era suficiente para infernizar a vida dos índios, dos pássaros e das plantas. Segundo a EMBRAPA, existem mais de 28.000 km² de terras livres e aptas para a agricultura no Estado de Roraima, que podem ser ocupadas pelos rizicultores.

6- Quantos serão atingidos pela escassez de arroz, que não mais será produzido em Roraima?

Quem falou que vai ter escassez de arroz? Isso é conversa fiada dos arrozeiros para ganhar aliados na sociedade nacional. Com esse argumento, o MST pode invadir a fazenda do Daniel Desalgemado Dantas, dizendo que quer plantar arroz, evitando a escassez.

7- Os índios interessados na reserva vivem de fato como há 500 anos?

Hoje, nenhum português vive como Cabral, da mesma forma que você, André, não vive como seus pais. Nenhum portuga hoje come, mora, sonha, se veste, chora, ri, se locomove, fala, escreve e lê como Pero Vaz de Caminha. No entanto, apesar disso, eles continuam sendo portugueses, com direito de morar em sua terra. Imagine se o Bush decidisse invadir Portugal por entender que os atuais portugueses mudaram, não são mais “autênticos” e, portanto, perderam o direito à terrinha?  A cultura é dinâmica. Não tem fundamento negar os direitos aos índios, porque eles não mantiveram congeladas suas culturas. Ninguém, nenhum povo, vive como vivia há 500 anos. Se exigirmos que o índio continue vivendo como na época de Caminha, temos de ser coerentes e exigir o mesmo dos portugueses e de outros povos.

8- Se a demarcação contínua não ameaça a soberania nacional, por que raios moradores locais, dizem que estrangeiros têm mais acesso à reserva que brasileiros?

Adivinha, André, adivinha! Pura cascata para tomar as terras dos índios! A demarcação mexe com interesses poderosos: agronegócio, produtores de soja, mineradoras, madeireiras, empreiteiras... Panfletos apócrifos e anônimos circulam na internet, inventando que a bandeira dos Estados Unidos é hasteada, que os índios falam inglês, que a pátria está ameaçada, quando o que está ameaçado é o bolso, o lucro e a conta bancária de um punhado de espertalhões.Lérias. Conversa fiada.   

9- Por que raios essa denúncia não é formalmente investigada?

Já foi. A Policia Federal e o Itamaraty produziram um dossiê afirmando que é tudo mentira. Isso foi colocado na internet por um pesquisador da USP. Se eu não estivesse escrevendo dentro de um avião, sem acesso à internet, te mandaria o endereço dele. Mas procura, que você acha.    

10- Se os índios interessados na demarcação contínua são "a favor" da nação brasileira, por que raios o CIR recebeu US$300 mil da Ford Foundation? 

Ora, André, se o Estado brasileiro é a favor da nação brasileira, por que raios o Brasil recebeu grana do FMI? Por que as multinacionais invadiram o Distrito Industrial da Zona Franca de Manaus?  

11- O laudo que fundamenta a demarcação contínua é respeitável?

Respeitabilíssimo. Foi feito pelos antropólogos Paulo Santilli e Maria Guiomar Melo, cuja competência é reconhecida nacional e internacionalmente.

12- Se existem minérios preciosos no solo de Roraima por que não explorá-los?

A Constituição de 1988 diz que as terras indígenas não pertencem aos índios, mas à União. Os índios têm o usufruto do que está na superfície. A exploração do subsolo, que também pertence ao Brasil, ainda não foi regulamentada, depende do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas. Já os índios estão mais preocupados com os pássaros do que com o minério. Como diz o poeta Manoel de Barros, o cu de uma formiga é mais importante para a humanidade do que a bomba atômica.

13- Há quanto tempos lá estão os índios e os não-índios?

Com certeza, os índios chegaram muitos séculos antes dos brancos. Basta ver a toponímia e a taxonomia da região, os nomes dos lugares, das plantas, dos pássaros, todos eles em línguas indígenas, além das evidências arqueológicas. Os primeiros brancos começam a aparecer (mas não a ocupar aquela região) no séc. XVIII. Quanto aos arrozeiros, a presença deles é recentissima, alguns deles posterior a 1992.

14- Por que raios eu, como brasileiro, não posso morar onde eu quiser neste país e nele manter minhas atividades, mesmo sendo agrícola? (Acredite, a agricultura faz um bem danado à humanidade).

Por que raios os integrantes do Movimento Sem Terra não podem morar na fazenda do desalgemado Daniel Dantas, o banqueiro bandido – segundo Protógenes? (Acredite, o agrotóxico faz um mal danado à vida e à saúde).

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

1 Comentário(s)

Avatar
Pedro Martins comentou:
16/08/2010
Importante esclarecimento acerca da questão das terras indígenas. Os interesses contrariados com a demarcação das terras tratam de espalhar boatos e calúnias com a finalidade de confundir a opinião pública. Matérias como esta têm o mérito de ajudar na formação de uma opinião esclarecida.
Comentar em resposta a Pedro Martins