CRÔNICAS

Vânia Tadros, La Pasionária

Em: 11 de Maio de 2020 Visualizações: 1252
Vânia Tadros, La Pasionária

(Diário do Amazonas, 12 de maio) Foram vidas bastante diferentes e até opostas, uma de origem basca, a outra galega, mas com um ponto em comum: o sangue ibérico e a paixão de viver, de lutar, de resistir. Por isso, a militante antifascista Dolores Ibárruri (1895-1989) falecida em Madri aos 96 anos, ficou conhecida durante a Guerra Civil Espanhola como “La Pasionaria”, pseudônimo que usou em artigo para o jornal operário El minero vizcaíno. Vania Novoa Tadros, igualmente hiperbólica em seus afetos e convicções, morreu na tarde do sábado (9), aos 69 anos, mas “não foi vítima da Covid-19” – informou seu genro Jorge Pinho, procurador-geral do Estado. Ela enfrentava problemas respiratórios crônicos.

Convivemos nos anos 1980 em sala de aula, no Curso de Graduação em História pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) do qual eu era professor. Vânia era a última da lista de chamada organizada em ordem alfabética, mas uma das primeiras no domínio da disciplina História do Amazonas. Trazia de casa curiosidade e interesse pelo tema, alimentado – ela dizia - pelo empresário José Roberto Tadros, seu esposo, membro do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA). Depois de formada, já como professora concursada da UFAM, se especializou em Demografia Amazônica, num curso no qual ministrei um módulo.

Lembro de haver dado uma aula apoiado em dois autores, ambos da escola demográfica de Berkeley, Califórnia, que não haviam sido traduzidos ao português: William Denevan, que inovou os métodos de cálculo da população indígena da Amazônia no séc. XVI e Woodrow Borah, que discute o impacto demográfico da invasão europeia no continente americano. Eu tinha cópias xerox feitas no Musée de L’Homme, em Paris, já gastas e ilegíveis. Vânia mandou buscar os livros nos Estados Unidos e dividiu os textos com os colegas, com quem, generosa, compartilhava sempre a biblioteca familiar.

História da Imprensa

Com os alunos ainda na graduação, formamos um grupo de pesquisa que incursionou por vários campos da História do Amazonas. Um deles foi resultado da continuidade que demos ao fichamento feito anteriormente na hemeroteca do IGHA por alunos de Comunicação Social. Durante as férias de janeiro e fevereiro, na casa de dona Tereza, mãe da Vânia, e com apoio dos arquivos de Geraldo de Macedo Pinheiro, cinco alunos de história reorganizaram as fichas, o que nos permitiu publicar, em 1987, pela Editora Ana Cássia, do Batará, o livro “Cem anos de Imprensa do Amazonas (1851-1951)”, com posterior reedição feita pelo saudoso Umberto Calderaro.

Eu havia encontrado no Instituto de História Social (IISG) de Amsterdam, um exemplar do jornal A Lucta Social, “orgam operário livre”, criado em Manaus pelo gráfico Tércio Miranda no final do chamado ciclo da borracha. Por isso, fui convidado pelo diretor do Sindicato dos Metalúrgicos, Élson de Melo, para ir lá falar sobre a história da imprensa operária.  Propus a Vânia Tadros e a Geraldo Sá Peixoto participarmos de uma mesa. Ambos aceitaram.

Casada com um empresário que presidia a Fecomércio-Am e dirigia órgãos da classe patronal, Vânia, sempre presente nas colunas sociais, foi bem recebida pelos metalúrgicos, para quem falou sobre a primeira comemoração do 1º de maio pelos trabalhadores do Amazonas, ocorrida em 1914, na praça São Sebastião. Discorreu ainda sobre os jornais, que depois mereceram uma edição fac-similada organizada por Luiza Ugarte e Luis Balkar. Vânia deu seu recado com muita competência.

Amazônia colonial

Outro campo de pesquisa resultou no livro “A Amazônia Colonial (1616-1798), organizado por mim, no qual Geraldo Sá Peixoto Pinheiro, que dirigiu o Museu Amazônico, teve papel primordial. Vânia aparece como uma das coautoras. Ela fez o meio de campo na transferência do acervo documental da empresa J.G. de Araújo para o mesmo Museu, do qual foi diretora da Divisão de Pesquisa e Documentação Histórica.

Leitora assídua da coluna Taquiprati, quando não concordava com o que eu escrevia, mandava comentários desaforados, em caixa alta, que eram publicados. Todos. As divergências aumentaram durante o impeachment de Dilma, que na minha visão era um golpe comandado por Eduardo Cunha, depois preso por corrupção. No entanto, quando ela concordava, sabia fazer elogios rasgados, como na carta enviada quando fui ameaçado por um cidadão local que se dizia proprietário de uma rua. (ver http://taquiprati.com.br/cronica/66-cartas-de-manaus-e-paris-v)    

Essa era Vânia, una pasionária, que agora nos deixou. Ex-aluna, colega, amiga dos amigos, implacável com os adversários, mas sempre honesta, dizendo sem rodeios o que pensava. Colocou paixão em tudo o que fez. Foi embora, mas permanece sua contribuição para a História do Amazonas num trabalho de equipe com a qual sempre soube interagir. “Vai ser difícil viver com a ausência dela” – escreveu o filho David Tadros, expressando o sentimento familiar e dos amigos. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, decretou luto oficial de três dias por conta do número de mortes registradas pela Covid-19 e em meio às condolências feitas na sessão da Câmara Municipal de Manaus, foi citada e homenageada a professora Vânia Tadros.

Ao esposo, filhos e netos, fica aqui a nossa solidariedade nesse momento de dor e de perda pela sua partida para a Yvy Marae’y – a Terra sem Mal dos Guarani, onde nos reencontraremos, quando então eu poderei insistir:

- Foi golpe sim. Bem que eu te falei!

Suspeito que a resposta da minha querida amiga, que apreciava o contraditório, será aquela risada com a qual será sempre lembrada.

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

17 Comentário(s)

Avatar
Jézia Raiker comentou:
12/05/2020
Pra mim foi uma honra compartilhar 4 anos da minha vida com essa mulher sábia que era Vânia Tadros. Sentindo muito essa perda. Amei suas palavras professor Ribamar. Voltei lá no ICHL em 1980 ou 81 nem lembro mais. Era bom demais conviver com vcs. Bj no coração
Comentar em resposta a Jézia Raiker
Avatar
Marilza De Melo Foucher comentou:
12/05/2020
Bela homenahem a nossa amiga Vania. Nossas divergências sempre existiram dentro do respeito. A passionaria quando brigava com o Baba brigava também comigo. Quando a gente se comunicava por e-mail tínhamos tempo de desenvolver argumentos e tudo se resolvia de modo racional. Todavia, quando passamos a ser amiga virtual por facebook o ódio havia sido semeado no Brasil contra o PT e a esquerda e eu tive que deixar de seguir Vania para não perder a Vânia que conheci quando éramos jovens e o debate político e o embate de ideias não era animado pelo ódio.
Comentar em resposta a Marilza De Melo Foucher
Avatar
Leyla Martins Leong comentou:
12/05/2020
Linda homenagem. Agradeço a Vânia a indicação de leituras, entre elas os relatos de Bartolomé de Las Casas e outros autores que mudaram para sempre a minha visão da História.
Comentar em resposta a Leyla Martins Leong
Avatar
Danielle Bastos Lopes comentou:
12/05/2020
Avatar
Sebastião Cordeiro (via FB) comentou:
11/05/2020
A homenagem à sua amiga mostra que é possível lidar com a dor e o sofrimento com uma certa leveza e sem perder o humor. Ah, foi golpe sim. Ela era inteligente e deve ter percebido isso.
Comentar em resposta a Sebastião Cordeiro (via FB)
Avatar
Lenise Ipiranga comentou:
11/05/2020
Emoção dominou aqui prof. Bessa ... Linda homenagem ... creio que profa. Vânia concordará finalmente que foi golpe heheheh .... Após ter visto de outra dimensão aquele triste capítulo da história da democracia brasileira heheheh
Comentar em resposta a Lenise Ipiranga
Avatar
David Tadros comentou:
11/05/2020
Obrigado amigo querido do coração pela linda Homenagem
Comentar em resposta a David Tadros
Avatar
Ivania Vieira comentou:
11/05/2020
Agora fico a imaginar esse encontro de vocês, Prof. Bessa. Sim, ela irá respondê-lo e, na nova morada, rir mais ainda.
Comentar em resposta a Ivania Vieira
Avatar
Elson Melo comentou:
11/05/2020
Professor e amigo José Bessa, a Vossa narrativa registra períodos da luta operária no Amazonas onde em um deles apareço como protagonista junto com você e a saudosa Vânia Novoa Tadros. Foi no evento citado que identifiquei o jornal A Lucta Social como modelo de imprensa operária e conheci a Vânia. Desde então, mantivemos um diálogo respeitoso sibre os mais diversos temas política, história, religião...Minha última mensagem a Vânia Novoa Tadros foi uma felicítação pelo seu aniversário um dia antes da seu falecimento. Fica a saudade de uma amizade construída em um processo de luta de classe de pessoas de classe diferentes. Parabéns pela homenagem a Vânia e a sua história.
Comentar em resposta a Elson Melo
Avatar
Jonas Medeiros (via FB) comentou:
11/05/2020
Professor, pêsames para a familia e os colegas da Vania. Como faço para adquirir o Catálogo da Imprensa no Amazonas mencionado aqui?
Comentar em resposta a Jonas Medeiros (via FB)
Avatar
Marilene Corrêa Da Silva Freitas comentou:
11/05/2020
Li e revivi momentos importantes da formação e institucionalidade do curso de História e de pesquisadores historiadores. E me emocionei também com a narrativa. Valeu, Bessa!
Comentar em resposta a Marilene Corrêa Da Silva Freitas
Avatar
Adeice Torreias comentou:
11/05/2020
E assim vamos sentindo grandes perdas, professor Bessa.
Comentar em resposta a Adeice Torreias
Avatar
Ana Silva comentou:
11/05/2020
Linda homenagem, Bessa.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Helena Souza comentou:
11/05/2020
Linda cronica Babá. O perfil da Vania foi um retrato perfeito
Comentar em resposta a Helena Souza
Avatar
Rosilene Odina Cabral Bessa comentou:
11/05/2020
Chorei Babá! Essa era a Vânia, acima de tudo uma pessoa doce, sempre disposta a ajudar...
Comentar em resposta a Rosilene Odina Cabral Bessa
Avatar
Celeste Correa comentou:
11/05/2020
Que lindo, mano!! Essa quarentena me aproximou dos livros, dos quais eu tinha me afastado um pouco. Estou lendo um livro do Pastor Henrique, aí de Niterói , onde ele discute muito a espiritualidade. Ele fala uma frase que eu gostei muito sobre a a vida eterna: "Ela permanece em mim, e eu deixarei parte dela em outras pessoas. É talvez essa seja uma das possíveis definições de vida eterna". A Vânia está aí, na tua linda crônica, onde a descreveste de forma muito bonita e fiel
Comentar em resposta a Celeste Correa
Avatar
Elisa Meneghini comentou:
11/05/2020
A família e os amigos da Vania devem se comover com a linda homenagem! Emocionante, sem ser piegas! Se vê que foi escrita com muito sentimento: afeto, repeito e admiração!
Comentar em resposta a Elisa Meneghini