CRÔNICAS

D. Pedro: os vivos que só escutam a voz dos mortos

Em: 16 de Agosto de 2020 Visualizações: 1578
D. Pedro: os vivos que só escutam a voz dos mortos

- É correto concluir que os movimentos sociais precisam de militantes vivos e atuantes e não de mortos e inoperantes?

A pergunta provocativa, numa entrevista em 1979 para o jornal Porantim, foi feita a Dom Pedro Casaldáliga, quando ele acabava de narrar o assassinato do padre João Bosco Burnier ocorrido três anos antes, numa delegacia de Mato Grosso, onde ambos protestavam contra a tortura de duas mulheres. Sua coragem alicerçada na fé em outra vida lhe permitia enfrentar, desarmado, pistoleiros armados, o que traduzido ao seu discurso me parecia uma apologia da morte. O entrevistado percebeu minha aflição e justificou que valia a pena morrer lutando por uma causa justa, porque – ele disse:

 - Tem vivos que só escutam a voz dos mortos.

Agora, sepultado nesta quarta (12) debaixo de um pé de pequi, no cemitério abandonado dos Karajá à margem do rio Araguaia, cabe perguntar: o que D. Pedro, morto aos 92 anos, tem a dizer para nós que continuamos vivos neste vale de lágrimas?

Sua vida fala por ele: renunciou à pompa episcopal, trocou o palácio por uma casa modesta, a mitra pelo chapéu de palha, o báculo por um cajado indígena, o anel de ouro por outro de tucumã e um mausoléu por uma cova simples.  Foi isso que deu força à sua voz referenciada pela ciência, a teologia e as experiências pessoais.

Suas palavras foram semeadas em muitos livros, entrevistas e filmes que descrevem sua trajetória. Quase tudo já foi dito por ele e sobre ele. Recupero aqui sua voz em alguns trechos selecionados de outra entrevista feita por nós, da equipe do Porantim, no dia 30 de julho, por ocasião da III Assembleia Nacional do Conselho Indigenista Missionário (CIMI). O bispo de São Félix do Araguaia falou, então, sobre as nações indígenas e suas lutas, condenou o sistema capitalista, denunciou a devastação da floresta, pronunciou-se sobre marxismo, ciência e ideologia e defendeu a aliança dos setores oprimidos - operários, camponeses, índios.

O socialismo

A luta pela construção de uma sociedade sem classes é a única garantia de sobrevivência dos povos indígenas e esta luta pelo socialismo é cristã e evangélica – disse D. Pedro. Mas advertiu que era impossível construir o socialismo em um só país. “Defendo esse socialismo internacional que deve reconhecer e respeitar, em potencial, a diversidade das etnias e culturas”. [...] “Considerando-se o Socialismo como uma meta a ser alcançada, devemos crer que ele interessa aos vários setores oprimidos da sociedade, ansiosos por uma vida justa e condizente com sua condição de seres humanos”.

Para isso, ele considera que, além da conversão plena para o evangelho, duas outras são necessárias: uma conversão do etnocentrismo para o reconhecimento das culturas indígenas e a outra do capitalismo para o socialismo: “Se eu não saio do meu etnocentrismo, mesmo sendo um socialista perfeito, não vou salvar os povos indígenas. Mas se sou um pluriculturalista, um antropólogo superfino e sou capitalista, também garanto que nada poderei fazer pelos índios”.

O bispo do Araguaia avaliou que uma sociedade sem classes era a única garantia para a sobrevivência dos povos indígenas. No entanto, essa garantia pode não ser suficiente – ele diz - pois os setores que vão construir essa sociedade têm que estar devidamente conscientes da existência de diferentes nações aqui dentro, visto que, infelizmente, até mesmo entre alguns setores de esquerda verifica-se um certo desprezo pela causa indígena, o que, segundo ele, poderia gerar um tipo de proletarização coletivista, com tendência a uniformizar as etnias.

Ele trazia em sua bagagem uma memória histórica de lutas e conflitos: a infância na guerra civil espanhola e juventude na ditadura franquista. Como catalão, viveu a perseguição à diferença étnica e linguística, que deixava como única opção a luta pela afirmação de sua identidade.

Nações indígenas

Na ocasião, entreguei ao entrevistado a “Proposta de Política Florestal para a Amazônia Brasileira” - um documento setorial da Universidade do Amazonas, coordenado por Frederico Arruda. Lá discutimos que o futuro da floresta estava ligado ao destino das nações indígenas. Foi aí que D. Pedro defendeu a ideia de um Estado Brasileiro plurinacional, não apenas como uma tese, mas como “uma verdade fundamental por mais utópica e absurda que possa parecer”.  Observou, porém que o capitalismo internacional não admitiria sequer uma colocação dessa ordem:

“Talvez fosse dever do CIMI, que fala tanto em autodeterminação dos povos indígenas, ter colocado isso antes, mas não o fez, não por deixar de sentir o problema, mas por não ter encontrado ainda um clima apropriado para que não parecesse apenas uma romântica utopia”. [...] Devemos conseguir uma frente única ocidental para o reconhecimento das entidades culturais dos índios como povos diferentes e nunca como povos nacionais dentro desse ou daquele país”.

Qualificado de marxista como se isso fosse um crime, D. Pedro declarou:

“Não tenho medo nenhum de usar a análise marxista, por exemplo, que é um instrumento atual e válido, como foram nas suas épocas respectivamente o platonismo e o aristotelismo. Tenho às vezes a impressão de que os que têm tanto medo de usar essas mediações são os que tem pouca fé e estão com medo de perdê-la. Ou então, são os que não sabem distinguir o que é fé do que é ciência. Quem não tem ideias claras não pode ter atitudes claras e, consequentemente, se encherá de medos, receios e ambiguidades”.

“Parece-me natural que alguém se pergunte pela minha fé cristã. Eu, no entanto, faço questão de dar testemunho dela, trabalhando e sendo fiel ao Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Se alguma coisa está ficando cada vez mais clara para mim, é que o evangelho chega a todos, e que o primeiro e último grande mediador é Jesus Cristo, que nasceu pobre, marginalizado e na periferia, que enfrentou dialeticamente, até o sangue, as estruturas de poder político e eclesiástico que considerava falsas e contrárias à palavra de seu Pai”.

Ditadura

Com referência mais específica ao papel dos estudantes na causa indígena, Dom Pedro Casaldáliga acredita que eles devem, em primeiro lugar, estudar a história deste terrível massacre continental, conhecendo suas causas e efeitos. Depois, diz ele, os estudantes devem fazer questão de viver constantemente informados sobre a problemática dos índios e a lutar para que se abra, na Universidade, um espaço indigenista de estudos, promoções, solidariedade, contatos e protestos.

“A classe estudantil deve procurar o quanto antes se engajar nos movimentos, conselhos, comissões e organismos de apoio à causa indígena”.

Para tentar bloquear a ação de D. Pedro, o general Ismarth Oliveira, presidente da Funai, 5 proibiu em 1975 seu ingresso em território indígena, mencionado no documento como “área da Funai”. Inutilmente. Ao contrário de D. Pedro, que está vivo, hoje o general Ismarth é um ilustre desconhecido.

Ditadura, abertura política, movimento operário e dos sem-terra, as conferências episcopais de Medelin (1968) e Puebla (1979), o CIMI e a Comissão Pastoral da Terra (CPT) que ele ajudou a fundar, teologia da libertação, a mediação entre igreja, sociedade e povos indígenas foram alguns dos outros temas da entrevista (Porantim , ano II, nº 12 – outubro de 1979, pgs.8 e 9) que o Takiprati disponibiliza na íntegra aos leitores interessados http://taquiprati.com.br/entrevistas/d-pedro-somente-o-socialismo-pode-salvar-os-povos-indigenas

 

O bispo dos pés descalços

Roberto E. Zwetsch

Teólogo, professor associado de Faculdades EST, em São Leopoldo (RS) e pastor luterano.

Publicado em Brasil de Fato | Porto Alegre |  12 de Agosto de 2020

No esquife simples, sem qualquer pompa, jazia o corpo mirrado do grande pastor, bispo, poeta Pedro Casaldáliga. Ali aguardava o momento de ser levado até sua amada São Félix do Araguaia, no norte do MT, terra que o recebeu em 1968 e à qual dedicou mais de 50 anos de vida, luta, defesa dos mais pobres, peões, mulheres, povos indígenas como os Tapirapé, os Xavante e tantos outros. Jamais teve medo de colocar sua vida em risco. Por isto foi perseguido, caluniado, ameaçado de morte inúmeras vezes, retido em sua casa pela repressão militar, sem nunca aderir. Firme como uma rocha, fé inabalável no Cristo da Cruz, ele se entregou à caminhada do evangelho e suas consequências vivendo coerentemente o que pregava e por aquilo que julgava justo e libertador. E lembrava sempre em suas orações da comadre Maria, dos santos, das poetisas e poetas de ontem e de hoje.

Tive o privilégio de me encontrar com Pedro várias vezes. Desde a primeira vez que o vi num retiro de jovens no interior da Paraíba, eu com 21 anos e estudante de teologia, jamais pude me desligar de seus escritos, de sua caminhada, de seu ministério lá no sertão. Pedro, como fazia com tantos outros jovens, escrevia cartas que hoje são relíquias de inspiração para quem vai continuar a luta por suas causas na Causa, como ele costumava dizer. Quando nasceram nossa filha, nossos filhos, Pedro ao receber a notícia não demorava em enviar mensagem e sua palavra cheia de amor pelas crianças.

Fico a imaginar agora a nova caminhada de Pedro, livre das nossas limitações, mas firme na luta pelos pequenos que jamais haverá de abandonar. Ele irá repousar às margens do seu amado Araguaia, lá perto de São Félix, mas seu espírito caminhará de pés descalços rumo à Terra da Liberdade, ao encontro do Pai. Um poema que Leonardo Boff resgatou no texto que segue nos afiançará que Pedro nos leva junto no coração e continuará a interceder por nós e todo o povo pobre e vulnerável deste país desde sua nova morada.

Leonardo escreveu assim no seu blog (10/08/2020):

Vivia num “palácio” de madeira de terceira qualidade, totalmente desnudado. Era tão identificado com os indígenas e os peões assassinados, que quis ser enterrado no “Cemitério do Sertão” onde eles, anônimos, jazem:

'Para descansar/ quero só esta cruz de pau/ como chuva e sol;/ estes sete palmos e a Ressurreição'.

E assim imaginou o Grande Encontro com o Amado que serviu nos condenados da terra:

'Ao final do caminho me dirá/
E tu, viveste? Amaste?
E eu, sem dizer nada,
Abrirei o coração cheio de nomes'


O clamor de sua profecia, a total entrega de Pastor aos mais oprimidos, a poesia que nutre nossa beleza e sua mística de olhos abertos e das mãos operosas, permanecerão como um legado perene às comunidades cristãs, ao nosso país índio e caboclo que ele tanto amou e à humanidade inteira.

Escrevi a um amigo que perdemos um profeta, mas que seguirá conosco de uma forma inusitada, inspiradora. Ele me respondeu:

Não estamos de luto devido a uma perda. Nosso luto é de gratidão que não tem fim. Sabemos que ele vive. E a gratidão é de uma dimensão enorme, porque tudo o que Dom Pedro viveu e fez permanece. E mais: Continua!   Pois muitas pessoas continuam fazendo o que ele começou.  Soli Deo Gloria!

 

Comente esta crônica



Serviço integrado ao Gravatar.com para exibir sua foto (avatar).

15 Comentário(s)

Avatar
Beleni Saléte Grando comentou:
17/08/2020
As crônicas são sempre brilhantes. Em especial, agradeço essa edição, entre tantas que desvelam a história e as entrelinhas das vidas que lutam por dignidade e justiça no Brasil.
Comentar em resposta a Beleni Saléte Grando
Avatar
Lucia H. van Velthem comentou:
17/08/2020
Querido Bessa, Obrigada pela cronica sobre D. Pedro, uma pessoa cuja trajetória foi e sempre será inspiradora.
Comentar em resposta a Lucia H. van Velthem
Avatar
Taquiprati comentou:
17/08/2020
Artgo de Roberto Zwetsche https://outraspalavras.net/descolonizacoes/o-bispo-dos-pes-descalcos-e-do-bom-combate/
Comentar em resposta a Taquiprati
Avatar
Ely Makuxi comentou:
16/08/2020
Menos Bostonaro, cujo número de 100 mil mortos ainda hoje não ecoam em seus tapados tímpanos.
Comentar em resposta a Ely Makuxi
Avatar
Ademario Souza Ribeiro comentou:
16/08/2020
Estimado Bessa, Dom Pedro sempre nos encantou com sua força, coragem e profecia e, agora, "encantado", quanta graça vai espargir sobre os oprimidos da Terra Inteira e sobre nós brasileirxs e, particularmente, nós, indígenas!!! Ele nos amou tal profundidade - que encontrou-nos em Cristo e Cristo em nós e O chamou certa feita em uma de suas teatrologia de Txetxuiã... Este Cristo para ele era um vaqueiro, uma mulher, uma criança, um sertanejo... Pedro, uma pedra filosofal para a construção do Bem Viver! Ele anunciou como ninguém a Terra sem Males! Pedro Maria Casaldáliga, um Cristo, sempre entre nós - esses pobres mortais!!!
Comentar em resposta a Ademario Souza Ribeiro
Avatar
Arlete Schubert comentou:
16/08/2020
Esse senhor da Funai andou por aqui também, em tempos da dita dura. Aparceu como um homem "de bem"...
Comentar em resposta a Arlete Schubert
Avatar
Celeste Correa comentou:
16/08/2020
D. Pedro casaldáliga me foi apresentado através de uma conversa informal entre uma pessoa querida e eu há bastante tempo atrás! Ele ateu, ao me falar de D. Pedro, me disse uma frase que me marcou muito,. Disse," pelas mãos de D. Pedro eu comungo acreditando fielmente que Cristo está presente na comunhão". Essa fala foi de uma simbologia enorme pra mim porque me despertou a curiosidade para me aproximar da vida daquela pessoa admirável, e também me revelou o sentido real da comunhão, da partilha e de que a fé não se expressa de forma abstrata, ela é algo que nos motiva, nos alimenta e nos fortalece dando sentido á nossa vida. D. Pedro deu esse testemunho, viveu fielmente o evangelho de Cristo, e hoje,morto, está muito vivo através do seu legado e tem muito a nos dizer nesse vale de lágrimas. A sua estória nos diz muito. E para que essa estória nos fortaleça e continue nos alimentando pensemos na sua fala "tem vivos que só escutam a voz dos mortos".Quem tem ouvidos, ouça!
Comentar em resposta a Celeste Correa
Avatar
Valter Xeu comentou:
15/08/2020
Publicado no blog Patria Latina http://www.patrialatina.com.br/d-pedro-os-vivos-que-so-escutam-a-voz-dos-mortos/
Comentar em resposta a Valter Xeu
Avatar
Arlet Pinheiro Schubert comentou:
15/08/2020
Querido prof. Bessa Gratidão por demarcar esse momento com marcos fincados pela propria trajetória impar de Dom Pedro Casaldaliga. Todos os lugares são legitimos para quem vive e luta ao lado dos pobres e marginalizados, sejam eles indios, pretos, mulheres, crianças, vlehos.... Uma vida inteira que não deixa duvidas sobre os lugares dos quais devemos falar e agir. quando a falta de liberdade e as desigualdades ameaçam a Vida. Uma lição que ainda não aprendemos, qu a força das causas se mostra na riqueza de quantos/as sejuiros marginalizados somos capazes de comportar nessa caminhada. Não queremos esquecer essa lição, desde nosso "lugar de luta". Gratidão, sempre! Nosso grande abraço! (Arlete e Emil)
Comentar em resposta a Arlet Pinheiro Schubert
Avatar
Marlene Ribeiro comentou:
15/08/2020
Uma vida querida e preciosa que nos deu muitos exemplos; eu estava em Manaus, na época e lembro a perseguição dos que eram contra a desgraça da ditadura militar... E agora quem é contra a atual ditadura militar que está destruindo as condições para a vida daqueles que dependem da floresta amazônica, como os indígenas, para sobreviver?
Comentar em resposta a Marlene Ribeiro
Avatar
José Messias comentou:
15/08/2020
E muitos que nem ouvem sequer a voz dos mortos.
Comentar em resposta a José Messias
Avatar
Magda Dourado Pucci comentou:
15/08/2020
E parece que desse vez nem a voz dele ecoou muito depois de morto... vi pouca gente se referir a ele.... jovens nem sabem quem ele foi ... estamos perdendo a sensibilidade ou o lugar de fala está expelindo a importância de pessoas que se dedicaram a vida toda a causa indígena?
Comentar em resposta a Magda Dourado Pucci
Avatar
Juscelino Taketomi comentou:
15/08/2020
Décadas depois de sua visita a Manaus, Dom Pedro Casaldáliga conseguiu transformar em realidade a utopia que defendia em favor dos índios e dos despossuídos da Amazônia. Sua utopia vive dentro de nós, que precisamos tanto dela nos tempos mais do que injustos de hoje
Comentar em resposta a Juscelino Taketomi
Avatar
Ana Silva comentou:
15/08/2020
A trajetoria de D. Pedro nesse mundo jos enche de alegria e coragem para lutarmos por dias melhores e ensolarados. Excelente entrevista.
Comentar em resposta a Ana Silva
Avatar
Loretta Emiri (via FB) comentou:
15/08/2020
Bessa, estava esperando seu texto sobre o "nosso" querido Pedro.
Comentar em resposta a Loretta Emiri (via FB)